Resumo do Livro: A importância do Ato de Ler (Paulo Freire)

Freire, Paulo, 1921 –  A  importância do ato de ler: em três artigos que se completam / Paulo Freire. –São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989. (Coleção polêmicas donosso tempo; 4)

Introdução

O livro de Paulo Freire, “A Importância do Ato de Ler”, constituído por  três artigos que se completam,  é apresentado  em uma palestra sobre a alfabetização de adultos e de bibliotecas populares, onde o autor trás a temática da leitura, discutindo sua importância, como ela deve ser e de que forma ela se dar no processo da alfabetização. Dentro de um contexto crítico e analítico ele relata e discute sua experiência de alfabetização e pós-alfabetização de adultos na República Democrática de São Tomé e Príncipe.

 

Em “A Importância do Ato de Ler”, Paulo Freire afirma que a leitura do mundo é anterior a leitura da palavra e que todos traz consigo sua experiência de vida para compor  esta leitura, mesmo a criança tem suas imaginações e suas afeições que também vai ajudar na composição dessa leitura. Em um discurso maravilhoso, ele relata aspectos de sua infância e de como ele chegou ao seu processo de alfabetização.

Enfatiza a importância de se fazer uma leitura crítica, e que o gosto pela leitura se desenvolve na medida em que os conteúdos sejam de acordo com o interesse e necessidade do leitor.

Para Freire falar, de alfabetização de adultos e de biblioteca populares é falar, entre muitos outros, do problema da leitura e da escrita. Não da leitura de palavras e de sua escrita em si próprias, como se lê-las e escrevê-las, não implicasse uma outra leitura da realidade mesma. A prática da alfabetização deve se dar de maneira crítica em oposição a ingênua e à astuta. Do ponto de vista crítico é tão impossível negar a natureza política do processo educativo quanto negar o caráter educativo do ato político. Quanto mais ganhamos esta clareza através da prática, mais percebemos a impossibilidade de separar a educação da política e do poder. O que temos de fazer então, enquanto educadoras ou educadores, é assumir a nossa opção que é política, e ser coerentes com ela na prática e entender que não é “o discurso o que ajuíza a prática, mas a prática que ajuíza o discurso”. Quem apenas fala e jamais ouve; quem “imobiliza” o conhecimento e o transfere a estudantes, quem ouve o eco, apenas de suas próprias palavras, quem considera petulância a classe trabalhadora reivindicar seus direitos, não tem realmente nada que ver com a libertação nem democracia, pelo contrário, quem assim atua e assim pensa consciente ou inconsciente, ajuda a preservação das estruturas autoritárias. Só educadoras e educadores autoritários negam a solidariedade entre o ato de educar e o ato de ser educado pelos educandos. É na intimidade das consciências, movida pela bondade dos corações, que o mundo se refaz, e, já que a educação modela as almas e recria corações ela é a alavanca das mudanças sociais.

Neste ensaio, ele apresenta vários textos dos Cadernos de Cultura Popular, que vêm sendo usados pelos educadores, também chamados de animadores, como livros básicos na construção do processo de alfabetização e pós-alfabetização.

Também sugere a construção da biblioteca popular, baseada em textos construídos pelo povo com base em sua cultura. Segundo Freire, “A reconstrução nacional precisa de que o nosso Povo conheça mais e melhor a nossa realidade e assim fazer um mundo mais justo para todos”.

A leitura desse livro nos fez entender que a educação é realmente um ato político e como educadores e educadoras devemos desenvolver juntamente com os educandos uma leitura crítica, digo “juntamente”, porque, desenvolver “neles”, lhes tira o papel de  sujeito participativo e portanto cria a figura autoritária.  A participação consciente na construção de nossa sociedade se dar em um trabalho de parceria, onde o que pensa que sabe, ainda tem muito a aprender. “Pois, quanto mais consciente o povo faça sua história, tanto mais perceberá com lucidez as dificuldades que tem a enfrentar, no domínio econômico, social e cultural, no processo permanente de sua libertação”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: